quinta-feira, 30 de novembro de 2017

A salvação em Cristo

"Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar? E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa” (Atos 16:30-31).

Numa ocasião, Paulo e Silas foram presos, devido á libertação de uma jovem. Naquela prisão, perto da meia-noite, eles oravam e cantavam hinos a Deus, e os demais os escutavam. Mas de repente sobreveio um grande terremoto e os alicerces do cárcere se moveram, abrindo as prisões de todos.

Foi aí que o carcereiro responsável, pensando que todos haviam fugidos, tomou a espada para se matar. Só que nesse instante Paulo entra em "cena", para que este não fizesse tal coisa, porque ninguém tinha saído dali. O carcereiro maravilhado com o poder divino, que mediante a oração e o louvor de dois homens um terremoto aconteceu, pergunta o que deveria fazer para ser salvo. Paulo e Silas respondem: "Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa" (Atos 16:31).

Lembro-me de outro episódio: enquanto Filipe explicava a passagem bíblica para um etíope, este chegou a perguntar o que impedia de ele ser batizado. Filipe esclarece que era aceito se ele cresse de todo o seu coração. Então o etíope declarou: "Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus" (Atos 8:37).

Observando em Romanos 10:9-10, Paulo escreve: "Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação." E em João 3:16 revela: "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna."

Creia verdadeiramente em Jesus Cristo, se entregando a Ele para obter a salvação. "Porque a Escritura diz: Todo aquele que nele crer não será confundido" (Romanos 10:11).

domingo, 8 de outubro de 2017

Coração voltado para Deus

"E Daniel propôs no seu coração não se contaminar com a porção das iguarias do rei, nem com o vinho que ele bebia; portanto pediu ao chefe dos eunucos que lhe permitisse não se contaminar" (Daniel 1:8).

Na Babilônia, Daniel e seus três amigos (Hananias, Misael e Azarias), permaneceram fiéis a Deus e progrediram. Como a Bíblia conta, eles receberam outros nomes: Daniel (Beltessazar), Hananias (Sadraque), Misael (Mesaque) e Azarias (Abede-Nego). A partir daí, você consegue compreender o porquê que no capítulo 3 do próprio livro de Daniel, são citados sendo como Sadraque, Mesaque e Abede-Nego.

 A respeito de Daniel, o primeiro capítulo (especificamente o versículo oito), diz que Ele propôs no seu coração não se contaminar. E ao falar em propôs, entendemos que Daniel sendo leal ao seu Deus tinha um propósito especial e significante - que deve ser levado em conta nos dias de hoje. Outro ponto, está na palavra contaminar, que indica precisamente sobre algo que pode trazer contaminação e deste algo devemos nos afastar.

Tanto Daniel, que teve este propósito, como seus amigos, agiram com integridade e resolveram não se contaminarem. É interessante notar, que eles concluíram que certas coisas podem aparentar ser saudáveis - isto é, não prejudiciais, principalmente para a vida espiritual. Mas se for analisado com mais cuidado, tais coisas são grandes empecilhos disfarçados de belezas, que romperam nossa comunhão com Deus. Por isso, que em Provérbios 14:12 nos alerta para a seguinte realidade: "Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte." E um dos motivos que levou Salomão pedir sabedoria, foi justamente para obter discernimento disso: "A teu servo, pois, dá um coração entendido para julgar a teu povo, para que prudentemente discirna entre o bem e o mal; porque quem poderia julgar a este teu tão grande povo?" (1 Reis 3:9).

Que a nossa oração seja: "Meu Deus, dá-me um coração que tem o propósito de fidelidade e assim não irei contaminar-se. Peço também, que o Senhor abra os meus olhos para distinguir entre o santo e o profano." Ou como Davi, que implorava pela restauração da comunhão: "Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto" (Salmo 51:10). Tenha a plena certeza, que se esta oração for realizada com sinceridade, receberá a resposta; pois a melhor coisa é ser segundo o coração de Deus.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Unidos em oração

"Pedro, pois, era guardado na prisão; mas a igreja fazia contínua oração por ele a Deus" (Atos 12:5). 

A igreja primitiva estava sofrendo perseguição por Herodes que estendeu as suas mãos contra o povo de Deus. Conseguiu matar Tiago, irmão de João, e agora havia prendido Pedro. Nessa hora a igreja reagiu, entrou em ação. Começaram a clamar continuamente, unidos em um só propósito: a libertação do servo do Senhor.

E quando unimos em oração Deus entra em cena. Analise o valor dessas palavras que Jesus pronunciou, apontando que devemos estar em concordância com aquilo que pedimos: "Também vos digo que, se dois de vós concordarem na terra acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus" (Mateus 18:19). E essa unidade tem que se manter firme, já que nela demonstramos o caráter de Cristo plantado em nós. Um dia o Mestre intercedeu pelos seus discípulos diante do Pai, da seguinte forma: "Eu neles, e tu em mim, para que eles sejam perfeitos em unidade, e para que o mundo conheça que tu me enviaste a mim, e que os tens amado a eles como me tens amado a mim" (João 17:23).

O Altíssimo libertou Pedro, enviando um anjo para tirá-lo da prisão. No entanto isso aconteceu porque pessoas se dispuseram acreditar no impossível, mesmo que humanamente falando seria difícil para reverter à situação. Outro motivo desse milagre se encontrava no princípio baseado em Atos 20:35, que diz que "mais bem-aventurada coisa é dar do que receber", dispondo tempo em pró de Pedro, priorizando a necessidade dele em vez das suas. Quando eles estavam ainda orando o mover do céu aconteceu. Ficaram admirados com o rápido resultado.

Em Tiago 5:16, recomenda orarmos uns pelos outros. E nesta união alcançaremos vitória, pois sem ela o profeta Amós já diria: "Porventura andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?" (Amós 3:3). Na oração em conjunto, pelo menos dois precisam concordar sobre o assunto. Pois se estes estiverem desunidos o milagre não pode acontecer. No Salmo 133:1, apresenta a unidade mais do que bela, como essencial: "Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união."

Perceba também que um reino dividido não pode subsistir, permanecer (Marcos 3:24). Para tudo ir adiante todos devem entrar em acordo, e jamais em contendas que colocarão as coisas fora de ordem. Então, fundamente-se nessa verdade que identifica a força que há na ligação: “E, se alguém prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa” (Eclesiastes 4:12).

A igreja primitiva pôde prevalecer pois a força da unidade em oração diante do Deus vivo, era bem mais poderosa do que a força contrária!